---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?


Diretor de Cultura de Penha palestra dia 19 no Seminário Internacional sobre Armações Baleeiras

Publicado em 11/07/2019 às 17:47 - Atualizado em 11/07/2019 às 17:47

Professor bordará a construção da capela de São João Batista, em 1759
Créditos: Divulgação/PMP Baixar Imagem

O diretor de Cultura de Penha, professor Eduardo Bajara, será um dos palestrantes do Seminário Internacional sobre Armações Baleeiras de Santa Catarina – Segunda Edição – que ocorre dias 19 e 20 de julho próximo, em Florianópolis, e integra o movimento de valorização das armações do gênero instaladas ao longo do litoral de Santa Catarina.

O evento integra as comemorações dos 40 anos da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), com atividades na sala de cinema do Centro Integrado de Cultura (CIC), com inscrições gratuitas. O professor Bajara fará no dia 19, das 10h às 11h, e seu tema será “A Real Armação Baleeira de Armação do Itapocoróy”, a qual será seguida por uma roda de conversas de construtores de baleeiras.

De acordo com Bajara, resgatar esse momento da trajetória de Penha é importante não apenas à História e à Cultura local e estadual, mas também para a História das interligações entre Brasil e Portugal.

Em sua palestra, Bajara falará sobre o panorama da enseada de Itapocoróy no início do século 18, quando a região já era citada em vários mapas e cartas da costa do Brasil meridional como bom ancoradouro e abrigo às embarcações – isso com registros em 1719.

O professor abordará a construção da capela de São João Batista, em 1759 a invasão de espanhóis na Ilha de Santa Catarina em 177, que resultou na migração de pescadores e trabalhadores das Reais Armações Baleeiras da Piedade e Lagoinha (atuais Governador Celso Ramos e Florianópolis) para a região de Armação do Itapocoróy.

“A Real Armação Baleeira de São João Batista de Itapocoróy transformou o local em um importante núcleo comercial e de pleno desenvolvimento, dando início à colonização e povoamento de todo o Vale do Itajaí”, detalha Bajara. “E esse será o ponto de partida da nossa palestra”. O diretor de cultura também apontará vestígios atuais da armação, registros eclesiásticos, a origem de vários nomes da região – como Ponta da Vigia, Praias Grande, da Paciência e Cancela, entre outros detalhes, como a Festa de Nossa Senhora do Rosário e “Natal dos Pretos” e ainda os costumes e tradições luso-açorianas.

A conferência de abertura, também no dia 19, contará com a participação do pesquisador chileno Daniel Queiroz, que falará sobre a experiência chilena de plantas baleeiras e histórias de abandono dessas estruturas. As inscrições deverão ser feitas no local. O evento trará ainda o tema das armações baleeiras sob administração da Marinha, uma dramatização sobre o tempo das armações, o registro visual das baleias e sua museologia, entre outros assuntos.

A iniciativa Seminário Internacional sobre Armações Baleeiras de Santa Catarina é da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), Fundação Cultural de Florianópolis, juntamente com a Prefeitura da Capital e outros organismos, como o Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina (IGHSC), Governo do Estado, Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan) e Governo Federal.